O Ministério da Saúde assegurou não ter tomado qualquer decisão no sentido do encerramento da maternidade de Abrantes, em resposta a uma pergunta levantada pelo deputado Duarte Marques (PSD), a que a Lusa teve acesso.

«O Ministério da Saúde reitera que, não só não foi tomada qualquer decisão no sentido do encerramento da maternidade do hospital de Abrantes, que integra o Centro Hospitalar do Médio Tejo (CHMT), assim como não se encontra em curso ou em preparação qualquer procedimento no sentido de um eventual encerramento», pode ler-se no documento assinado pelo chefe de gabinete do ministro da Saúde, Paulo Macedo.

O deputado Duarte Marques, eleito por Santarém, disse à agência Lusa que as perguntas que colocou à tutela surgiram «na sequência de uma preocupação revelada pela concelhia do PSD de Abrantes», que o havia alertado para um abaixo-assinado que circula em várias localidades daquele concelho, em defesa da manutenção da maternidade.

«Estranhei a pertinência do abaixo-assinado, porque já por diversas vezes o próprio Ministro da Saúde tinha desmentido notícias semelhantes», notou o deputado social-democrata, tendo colocado ao ministro duas perguntas relacionadas com a maternidade do hospital de Abrantes, e cuja resposta foi conhecida este sábado.

«Perguntei se estava previsto o encerramento da maternidade do hospital de Abrantes e se este Governo tomou alguma decisão relativamente a esta matéria», explicitou o deputado à Lusa, tendo afirmado que a resposta do Ministério «desmente a especulação feita pelo Partido Socialista de Abrantes, que numa lógica de terror político tentou passar a imagem que o Governo se preparava para encerrar a maternidade do Hospital de Abrantes».

«Os recentes comunicados e informações difundidas por dirigentes do PS do concelho de Abrantes visam apenas enganar a opinião pública, fugir à verdade e prosseguir uma política de medo e de criação de casos junto da população da região e que é servida pela maternidade do Hospital de Abrantes », reiterou.

Contactado pela Agência Lusa, o presidente da Comissão Política Concelhia do PS de Abrantes, Bruno Tomás desmentiu «categoricamente» qualquer relação de dirigentes do PS com o abaixo-assinado que circula há várias semanas na cidade.

«É redondamente mentira o que afirma o deputado Duarte Marques, pois os dirigentes socialistas de Abrantes não têm nada a ver com o abaixo-assinado que está a decorrer no concelho, sendo este promovido por uma comissão de utentes», afirmou.

«Temos conhecimento do documento, que circula em locais públicos, respeitamo-lo, mas o PS e os seus dirigentes não o promoveram nem são responsáveis pelo seu conteúdo», vincou.

A Comissão de Utentes dos Serviços Públicos do Concelho de Abrantes (CUSPCA) deu início à recolha de um abaixo-assinado em defesa da manutenção da maternidade do Hospital de Abrantes, unidade que faz parte do Centro Hospitalar do Médio Tejo (CHMT), no pretérito dia 29 de setembro.

Em comunicado, a CUSPCA refere que o documento, que será dirigido ao Ministério da Saúde com o conhecimento dos representantes do poder autárquico da região, das unidades de saúde e de todos os grupos parlamentares, foi colocado a circular "no maior número de locais públicos de todo o concelho".