Notícia atualizada às 19:19

Os funcionários da Unidade de Saúde da Ilha do Corvo, nos Açores, não vão receber os salários de dezembro por alegados «constrangimentos burocráticos», informou esta sexta-feira o PPM, que responsabiliza o secretário regional da Saúde pela situação.

«Esta situação está a causar grandes transtornos a alguns funcionários, tendo em conta a data do ano em que está a decorrer e os compromissos de diversa índole que as famílias têm de enfrentar no final deste mês», afirmou em comunicado o único deputado do PPM nos Açores, Paulo Estêvão.


O deputado monárquico, que considerou esta situação «inaceitável», referiu que os salários em falta «só serão pagos no decorrer do próximo mês».

«A situação criada na Unidade de Saúde da Ilha do Corvo é da inteira responsabilidade do secretário regional da Saúde, uma vez que este assumiu o compromisso, em comunicado datado de 18 de setembro, de acautelar o seu normal funcionamento, no contexto da iminente aposentação do único médico ao serviço da instituição», sustentou o parlamentar, que reside na ilha do Corvo.


Na mais pequena ilha dos Açores, com cerca de 400 habitantes, existe apenas um médico, que após 30 anos de serviço se reformou no início de dezembro, tendo a tutela assegurado, entretanto, que um novo médico iria iniciar atividade na ilha em janeiro de 2015.

Além das consultas, o único médico na ilha assume a presidência da Unidade de Saúde da Ilha do Corvo.

Paulo Estêvão considerou que, apesar de conhecedora da situação, a Secretaria Regional da Saúde «não teve capacidade para garantir o integral funcionamento da Unidade de Saúde da Ilha do Corvo desde o início do mês de dezembro».

Para Paulo Estêvão, o «normal funcionamento» do serviço e do conselho de administração do equipamento tem estado, a vários níveis, «visivelmente condicionado e comprometido» e «é isso que explica, em primeiro lugar, o não pagamento dos salários aos funcionários».

O parlamentar adiantou que o PPM vai solicitar à tutela explicações sobre esta situação e exigir uma «rápida intervenção» para que sejam ultrapassados os «constrangimentos burocráticos que estão a impedir o pagamento dos salários».

Entretanto, a Secretaria Regional da Saúde dos Açores anunciou que está a desenvolver «todas as diligências» para pagar na devida altura estes salários.

«A tutela está a desenvolver todos os esforços para poder pagar na devida altura os salários aos atuais dois funcionários da Unidade de Saúde da Ilha do Corvo», afirmou uma fonte da Secretaria Regional da Saúde à Lusa, acrescentando que «a situação decorre da reforma do presidente do conselho de administração da Unidade de Saúde na ilha».