Os enfermeiros que realizam a triagem nos serviços de urgência hospitalar podem, a partir desta sexta-feira, pedir exames, segundo uma norma da Direção-Geral da Saúde que visa reduzir tempos de espera inúteis nestas unidades.

A norma, a que a Lusa teve acesso, refere que os diretores do serviço de urgência têm de elaborar um algoritmo para ser seguido no atendimento dos doentes, após o seu atendimento segundo a triagem de Manchester, que é realizado por enfermeiros.

O algoritmo em questão - que para já é criado por cada instituição, mas deverá mais tarde ser nacional - é definido para determinadas situações clínicas, como queimaduras, lesões articulares traumáticas, traumatismo crânio encefálico, traumatismo da face, ideação suicida, entre outras.

Alexandre Diniz, diretor do Departamento da Qualidade na Saúde, explicou à Lusa que o objetivo da norma é «reduzir os tempos de espera inúteis». Para tal, foram «desenvolvidos mecanismos que aceleram o percurso do doente até à assistência médica».

Segundo Alexandre Diniz, «o grande problema das urgências são os casos amarelos», os quais têm de ser atendidos na hora seguinte.

O especialista deu o exemplo do caso de um doente com uma dor torácica que é atendido na triagem por um enfermeiro e necessita de um eletrocardiograma. Até agora, só o médico podia passar esse exame, mas, a partir de hoje, o enfermeiro pode pedir o exame e, assim, avançar no atendimento, encurtando algum tempo.

Segundo um despacho publicado em fevereiro em Diário da República, «em episódios de urgência com apresentação tipificada», «pode ser considerada a solicitação, pelo enfermeiro da triagem, de meios complementares de diagnóstico».

«Este complemento de triagem é introduzido de forma voluntária e experimental, com a duração de um ano, nas unidades que forem identificadas pelas Administrações Regionais de Saúde como aquelas onde se possa esperar maior benefício na redução de tempos de espera», refere o diploma.

O despacho determina ainda que todos os serviços de urgência devem assegurar, até 30 de setembro deste ano, que usam a versão mais recente do sistema de triagem de Manchester.