Os doentes urgentes da área de Tavira começaram este sábado a ser transportados para o Hospital de Faro, em vez de irem para o Serviço de Urgência Básica de Vila Real de Santo António, anunciou a Administração Regional de Saúde do Algarve.

A Administração Regional de Saúde (ARS) do Algarve anunciou a alteração num comunicado, precisando que a medida começou a ser efetiva às 00:00 e permite “prestar cuidados de saúde com cada vez melhor qualidade e prontidão a todos os cidadãos presentes na região algarvia”, mas sobretudo "na área do concelho de Tavira".

A mesma fonte considerou “muito importante” proceder a “alterações nos procedimentos de referenciação urgente de doentes em vigor nesta área territorial”, porque até aqui todos os doentes urgentes pertencentes a Tavira eram transportados primeiro para a urgência básica de Vila Real de Santo António.

As únicas exceções eram os casos em que “intervêm os meios de Suporte Imediato de Vida (SIV) ou de Viatura Médica de Emergência e Reanimação (VMER)”, cujos doentes, caso de justificasse do ponto de vista clínico, eram levados de imediato ao Serviço de Urgência Polivalente do Hospital de Faro, precisou a ARS.

Esta situação prejudica sobretudo os doentes (uma vez que a distância-tempo entre Tavira/Faro e Tavira/Vila Real de Santo António é semelhante, 30 minutos), uma vez que estes são muitas vezes transferidos de Vila Real de Santo António para Faro, com elevados tempos de transporte/espera, por motivos vários relacionados com a sua situação clínica”, justificou a ARS do Algarve.

A entidade tutelada pelo Ministério da Saúde frisou que o transporte inicial para Vila Real de Santo António também “tem custos económicos relevantes para todos os intervenientes e, frequentemente, origina indisponibilidade de meios de transporte no concelho de Tavira” por estarem “ocupados em transferências secundárias”.

Como “o Serviço de Urgência do Hospital de Faro tem capacidade e disponibilidade para receber todos os doentes urgentes, oriundos do concelho de Tavira”, e “se proporciona um atendimento mais rápido e adequado dos doentes, com menor dispêndio financeiro e melhoria considerável na disponibilidade de meios de transporte urgente” nessa área, a ARS “alterou os atuais procedimentos de referenciação urgente, a partir das 00:00”.

A medida foi adotada em articulação com o Instituto Nacional de Emergência Médica (INEM) e “parceiros relevantes”, referiu a ARS, determinando que os doentes urgentes de Tavira passam a ser “referenciados para o serviço de urgência do Hospital de Faro”, unidade pertencente ao recém-criado Centro Hospitalar Universitário do Algarve (CHUA).

A 28 de agosto, foi publicado em Diário da República o decreto-lei que alterou a designação da entidade gestora dos hospitais públicos do Algarve e que transferiu e reforçou as competências do novo CHUA.

O diploma alterou a denominação do Centro Hospitalar do Algarve (CHA) para CHUA, com o novo centro a integrar os hospitais de Faro, Portimão e Lagos, o Centro de Medicina Física e Reabilitação do Sul, localizado em São Brás de Alportel, e um polo de investigação e de ligação com a Universidade do Algarve.