A distribuição da vacina da tosse convulsa nas farmácias portuguesas, que esteve esgotada, vai ser regularizada na terça-feira, adiantou esta sexta-feira à agência Lusa a subdiretora-geral da Saúde, Graça Freitas, e o Infarmed. 

Em declarações à Lusa, a subdiretora-geral da Saúde confirmou que a vacina esteve “descontinuada por uns dias nas farmácias” devido a um "problema do laboratório”, mas adiantou que a situação vai ser regularizada.

“Houve uma boa adesão à recomendação para a vacina ser administrada a grávidas de forma a prevenir a tosse convulsa nas crianças nos primeiros dois meses de vida. Isto é uma questão de importação, ou seja, quem produz a vacina não conseguiu abastecer continuamente o mercado”, explicou.

Contudo, explicou Graça Freitas, “começaram já a ser importadas milhares de doses para Portugal e o Infarmed [Autoridade Nacional do Medicamento] já autorizou a sua distribuição.

“Está tudo conforme desde ontem [quinta-feira]. O mercado vai ser regularizado. Foi autorizada a sua distribuição mesmo com rotulagem numa outra língua, que depois será acompanhada por um folheto traduzido em português para informação das pessoas”, salientou.

A responsável explicou que “não há risco para a saúde pública” uma vez que esta vacina afeta sobretudo crianças muito pequenas, que ainda não tiveram tempo de apanhar a vacina (só aos dois meses de idade).

“Para evitar estes casos, aconselhamos a vacinação das mães para que passem anticorpos aos filhos. Quando as crianças nascem já têm alguma proteção. Por outro lado, esta é uma doença que não vai para casos zero, de vez em quando há pequenos surtos”, disse.

De acordo com Graça Freitas, a taxa de vacinação em Portugal é de 97/98%, tendo sido registados 260 casos em 205 e este ano pouco mais de 400.

A subdiretora-geral da Saúde lembrou ainda que este ano a vacina da tosse convulsa é comprada e nas farmácias, mas a partir de 1 de janeiro será gratuita e fará parte do Plano Nacional de Vacinação.

Contactado pela agência Lusa, o Infarmed esclareceu que “na sequência da decisão das autoridades de saúde internacionais em estender a vacinação às gestantes, houve um aumento da procura superior à capacidade de produção da vacina, o que provocou constrangimento ao seu normal acesso.”

“O Infarmed tem vindo a monitorizar a rutura em causa e concedeu uma Autorização de Utilização Especial (AUE) da vacina que abastecerá o mercado já a partir da próxima terça-feira”, é referido.