O ministro da Saúde, Paulo Macedo, classificou de «fantasioso» o número de 25 mil enfermeiros que os sindicalistas consideram precisos para as necessidades do país.

Paulo Macedo reiterou hoje que não entra na guerra de números com os sindicatos sobre a greve dos enfermeiros, que decorreu na quarta-feira e quinta-feira, garantindo, contudo, que os níveis de adesão apresentados pelos sindicalistas «não podem estar corretos».

Os sindicatos que convocaram a paralisação alegam que esta teve uma adesão superior a 80 por cento.

«A única certeza que há sempre em todas as greves é que os números avançados pelos sindicatos nunca são os anunciados previamente», disse o ministro, à margem da Conferência «Reconhecimento da Qualidade no Serviço Nacional de Saúde (SNS)», que decorre em Lisboa.

Para Paulo Macedo, os únicos números certos são os que se apuram através das folhas de remuneração. «O resto é subjetivo», disse.

Sobre a contratualização de enfermeiros, uma das reivindicações dos sindicalistas, Paulo Macedo lembrou que o executivo vai contratar mais 1.700 enfermeiros entre outubro deste ano e outubro de 2015.

Sobre os 25 mil enfermeiros considerados precisos para as necessidades do país, o ministro disse que estes são «de números fantasiosos».

«A hipótese de recrutar 25 mil pessoas tem falta de credibilidade e o país não tem possibilidade nem oportunidade, nem em termos de equidade em relação a outras profissões» de fazer tais contratações, disse.