Cerca de 12 mil pessoas estão atualmente a participar nos 353 ensaios clínicos que decorrem em Portugal, principalmente nas áreas de oncologia, doenças do sistema nervoso e doenças infeciosas, segundo dados do Infarmed.

A propósito do Dia Internacional do Ensaio Clínico, que se assinala esta quarta-feira, o organismo que regula o setor do medicamento revelou à Lusa que estão atualmente a decorrer em Portugal 353 ensaios clínicos.

A Autoridade Nacional do Medicamento e Produtos de Saúde (Infarmed) adiantou que “a grande maioria destes ensaios clínicos decorrem em hospitais e centros de ensaios” e que “as principais áreas terapêuticas de investigação destes ensaios clínicos são a oncologia, doenças do sistema nervoso e doenças infeciosas”.

Dos ensaios clínicos a decorrer, quatro por cento estão na fase um (avaliam a segurança e a tolerabilidade do fármaco e normalmente são feitos em humanos saudáveis) e 20 por cento na fase dois (calculam a eficácia terapêutica de um novo medicamento em doentes com a doença em estudo).

A maior parte dos ensaios em curso (72 por cento) decorre na fase três (comparam a eficácia de um fármaco com outro ou com um placebo) e quatro por cento estão na fase quatro, na qual se avaliam os riscos e os benefícios de um medicamento durante mais tempo e em mais doentes.

Para estes ensaios está prevista a participação de 12 mil pessoas. No entanto, o Infarmed ressalva que “não dispõe da informação relativa ao número de participantes efetivos, notando-se que este não atinge, frequentemente, o valor máximo planeado”.

O Dia Internacional do Ensaio Clínico assinala-se hoje em memória do dia em que James Lind terá começado o primeiro ensaio clínico reconhecido internacionalmente, em maio de 1747, do qual resultou a prova de que os citrinos combatem o escorbuto.