O número de casos de gripe disparou na primeira semana de janeiro, registando-se uma atividade gripal alta e uma mortalidade por «todas as causas» acima do esperado, segundo o Boletim de Vigilância Epidemiológica da Gripe.

O Boletim, elaborado pelo Instituto Nacional de Saúde Dr. Ricardo Jorge (INSA), dá conta do início do período epidémico, com uma taxa de incidência da síndrome gripal de 127,7 casos por cada 100 mil habitantes, acima da zona de atividade basal.

Em relação aos internamentos, na primeira semana deste ano foi admitido um caso de gripe - uma mulher de 52 anos que não tinha sido vacinada contra a gripe - nas 21 Unidades de Cuidados Intensivos (UCI) que transmitiram a informação.

No boletim lê-se que, desde o início da época de gripe 2014/2015, foram admitidos em UCI sete doentes com gripe, quatro por influenza B e três por influenza A.

O Sistema Nacional de Vigilância da Gripe foi ativado em outubro de 2014 e funcionará até maio de 2015.

A Rede Portuguesa de Laboratórios para o Diagnóstico da Gripe conta, na época de 2014/2015, com a participação de 16 laboratórios, na sua maioria de hospitais do continente e regiões autónomas da Madeira e dos Açores.

Esta rede assegura a deteção e caraterização dos vírus da gripe que podem estar na origem de casos mais graves da doença.