Até julho deste ano, tinham pedido para emigrar cerca de 100 médicos, menos de um quarto do que os que emigraram nos dois anos anteriores, revelou o ministro da Saúde, nesta quarta-feira.

Respondendo aos deputados da oposição, na comissão parlamentar da Saúde, que o confrontavam com as contestações das ordens profissionais à atual governação, o ministro da Saúde apontou os números que lhe foram dados pela própria Ordem dos Médicos.

Segundo esses dados, em 2014 emigraram 394 médicos, em 2015 emigraram 475 médicos e até julho de 2016 tinham sido pedidos os documentos para poderem emigrar menos de 100 médicos.

Isto é um sinal, como é um sinal que este ano contratámos para o Serviço Nacional de Saúde especialistas hospitalares no maior numero dos últimos cinco anos”, afirmou.