O presidente da Junta da União das Freguesias de Fânzeres e São Pedro da Cova considera que o vice-presidente da Comissão de Coordenação e Desenvolvimento Regional do Norte (CCDR-N), Carlos Neves, “não tem condições políticas” para permanecer no cargo e “continuar a acompanhar o problema ambiental de São Pedro da Cova”, denunciado, esta segunda-feira, pela TVI.
 
A reportagem em questão, "Negócios Sujos", do jornalista Rui Araújo, denuncia o estado do maior aterro clandestino do país, que 14 anos depois do depósito de mais de  321 mil toneladas de resíduos tóxicos, continua repleto de resíduos tóxicos, mesmo depois de em 2010 o Estado ter reconhecido a perigosidade dos materiais ali depositados. 
 
Em comunicado enviado às redações, o presidente da Junta de Freguesia, Daniel Vieira, diz que Carlos Neves não pode continuar como vice-presidente da CCDR-N, pois as suas declarações na reportagem mostram, “no mínimo” incapacidade para o exercício de funções.
 

“(…) [O]  Eng. Carlos Neves, não dispõe de condições políticas para continuar a acompanhar a resolução do problema ambiental de São Pedro da Cova. As declarações prestadas pelo Vice-Presidente da CCDR-N na reportagem emitida na passada segunda-feira, dia 13 de julho, são contraditórias e graves, revelando no mínimo incapacidade para o exercício das funções.”

 
Daniel Vieira diz, ainda, que a Junta de Freguesia fará tudo para a “remoção total” dos resíduos perigosos depositados em São Pedro da Cova, exigindo ao Governo e Ministério do Ambiente que assumam um “compromisso sério” para a resolução deste “ grave problema ambiental”.
 
A Junta de Freguesia pede ainda o “ apuramento de responsabilidades pelos danos causado à freguesia e à população”.