A Guarda Nacional Republicana (GNR) deteve, esta quarta-feira, em Samora Correia, distrito de Santarém, oito homens, quatro dos quais militares daquela força de segurança, indiciados por corrupção, furtos, burlas, peculato e fraude fiscal.

No âmbito de um inquérito criminal tutelado pelo Departamento de Investigação e Ação Penal de Lisboa, a Unidade de Ação Fiscal da GNR realizou esta quarta-feira, pelas 07:00, dez buscas domiciliárias e oito não domiciliarias na área de Samora Correia, distrito de Santarém.

«Na sequência das buscas, procedeu-se à detenção de oito indivíduos (com idades entre os 26 e 57 anos), dos quais quatro são militares da Guarda Nacional Republicana, pertencentes ao efetivo do Comando Territorial de Santarém, suspeitos da prática de diversos crimes, destacando-se os crimes de furto qualificado, burla, peculato, fraude fiscal e corrupção passiva», explica a GNR, em comunicado.

A GNR sublinha que a operação, denominada «Hydra», se «encontra ainda em curso, tendo sido apreendido, até ao momento [hoje], 5 mil quilos de metais não preciosos, em operadores de gestão de resíduos (sucateiras), e oito viaturas ligeiras».

Fonte policial disse à agência Lusa que os quatro militares detidos prestavam serviço no posto da GNR de Samora Correia, acrescentando que a investigação decorre «há vários meses».

Segundo a mesma fonte, os detidos vão ser presentes a primeiro interrogatório judicial na manhã de quinta-feira para aplicação de medidas de coação.

No caso dos quatro militares, a GNR frisa que a nível interno da instituição será aberto «o competente procedimento disciplinar».

Na operação foram empenhados 105 militares da Unidade de Ação Fiscal, 15 do Comando Territorial de Lisboa e cinco da Unidade de Intervenção.