O Instituto de Segurança Social vai encerrar temporariamente, por falta de condições, um lar de Odivelas, que presta apoio direto a 195 pessoas. Uma situação que, segundo um sindicato, deixa no desemprego 20 trabalhadores pertencentes à Santa Casa da Misericórdia de Lisboa.

O equipamento em causa estava sob gestão do Instituto da Segurança Social, mas, em 2011, transitou para a responsabilidade da Santa Casa da Misericórdia de Lisboa, juntamente com outros 27, por um período temporário, que terminou no final de setembro.

O "encerramento temporário" do Lar de Odivelas ficou decidido para o próximo dia 31 de outubro. "Após uma avaliação ao edificado" foi concluído que o edifício "não apresenta as condições físicas mínimas exigidas para que seja efetuado o respetivo licenciamento como Estrutura Residencial para Pessoas Idosas", lê-se numa informação enviada à agência Lusa por fonte oficial do Instituto de Segurança Social. A mesma fonte deixou uma ressalcva:

Todos os utentes foram devidamente encaminhados nas respostas sociais do Centro de Dia, Serviço de Apoio Domiciliário e Estrutura Residencial para Pessoas Idosas. Relativamente ao Centro de Dia, os utentes foram devidamente informados das instituições particulares de solidariedade social da zona, por forma a optarem pelo que mais lhe convinha".

No Lar de Odivelas trabalham atualmente 28 pessoas, sendo que das quais 20 pertencem à Santa Casa de Lisboa e as restantes oito ao Instituto de Segurança Social.

Alcides Teles, do Sindicato dos Trabalhadores em Funções Públicas e Sociais, denuncia que o encerramento implica o despedimento dos 20 trabalhadores ligados à SCML. "Não aceitamos que a Misericórdia se desresponsabilize. Estes trabalhadores têm muita experiência e podem e devem ser colocados noutros estabelecimentos da Santa Casa".

Para já, o sindicato está a tentar "pela via jurídica" evitar que os 20 trabalhadores fiquem sem colocação e que "não está equacionada nenhuma forma de luta". Vai "aguardar pela posição final da Santa Casa e pela resposta da Justiça".

Relativamente aos oito trabalhadores pertencentes à Segurança Social, Alcides Teles referiu ter informações de que irão ser integrados noutras instituições.

Numa resposta escrita enviada à Lusa, a Câmara Municipal de Odivelas, de maioria PS, referiu que existe um compromisso da Segurança Social de "estudar uma solução que garanta uma resposta social para a população do concelho de Odivelas”.

Por seu turno, a vereadora da CDU na Câmara de Odivelas Maria da Luz Nogueira afirmou que a decisão de encerrar o lar é "gravíssima", defendendo que as instalações apresentavam as condições mínimas de funcionamento.

"É inaceitável e inqualificável. É uma machadada muito forte, uma vez que se trata de um concelho com muitas carências de respostas sociais", lamentou.