Um total de 748 milhões de pessoas não possuem acesso a água potável de forma sustentada em todo o mundo e calcula-se que outros 1.800 milhões usem uma fonte que está contaminada com fezes, refere um relatório divulgado esta quarta-feira pela Organização Mundial de Saúde.

O mesmo estudo refere que 2.500 milhões de pessoas não têm acesso a um saneamento adequado e que mil milhões defecam ao ar livre, nove em cada dez, em áreas rurais.

Os dados constituem as principais conclusões do relatório GLASS 2014, um estudo realizado a cada dois anos pela Organização Mundial de Saúde e que, este ano, está titulado «Investir em água e saneamento, aumentar o acesso e reduzir as desigualdades».

O texto recorda que o acesso a água potável e a saneamento adequado tem implicações num amplo leque de aspetos, desde a redução da mortalidade infantil, passando pela saúde materna, o combate de doença infeciosas, redução de custos sanitários e no meio ambiente.

O estudo mostra que nas duas últimas décadas, 2.300 milhões de pessoas conseguiram aceder a fontes de água melhoradas.

No mesmo período, o número de mortes de crianças devido a doenças diarreicas – muito relacionadas com o saneamento precário – caiu de 1,5 milhões em 1990 para 600.000 em 2012.

«Claro que podemos dizer que se melhorou muito, mas 600.000 crianças continua a ser um número muito elevado»”, disse em conferência de imprensa Maria Neira, diretora de Saúde Pública e Meio Ambiente da Organização Mundial de Saúde.