O arcebispo maronita de Damasco, Samir Nassar, consagrou hoje o povo sírio a Nossa Senhora de Fátima, durante as cerimónias religiosas na Capelinha das Aparições, no Santuário de Fátima.

Na oração do rosário, o arcebispo fez um apelo à paz na Síria, que vive uma guerra civil, com a perseguição à comunidade católica.

«Vim consagrar o povo da Síria a Nossa Senhora de Fátima e solicitar as vossas orações pela paz: pela paz na Síria e pela paz no mundo inteiro», disse Samir Nassar.

Em declarações à Lusa, o arcebispo diz acreditar que o conflito na Síria se há de resolver: «a paz há de vir. Vamos todos juntos orar pela paz. Somos uma igreja da esperança e acreditamos que as vossas orações hão de contribuir para a vinda da paz».

Durante a oração do rosário, Samir Nassar explicou aos fiéis que iria consagrar a Síria a Nossa Senhora de Fátima, «companheira de luta» no caminho que têm percorrido. Fez a consagração a Nossa Senhora de Fátima de joelhos e em árabe, utilizando a cruz maronita, que também usou para abençoar os presentes.

A cruz maronita, que exibe umas reentrâncias em cada um dos lados, originalmente feitas com dois ossos.

«Somos peregrinos nesta terra para o reino de Deus. Nunca devemos esquecer isso. Peço muito a vossa oração pela paz do povo da Síria», realçou durante a oração.

Após a oração do terço, o arcebispo de Damasco concelebrou a missa, na Basílica da Santíssima Trindade.

Antes do início da celebração da missa, o reitor do Santuário, o padre Carlos Cabecinhas, apelou aos presentes para rezarem «à paz no mundo, especialmente na Síria, pela igreja cristã na Síria e pelo povo martirizado pela guerra civil que já perdura há tanto tempo».

A presença do arcebispo de Damasco insere-se na visita de Samir Nassar e do bispo auxiliar do Patriarcado dos Caldeus da Babilónia, Bagdad (Iraque), Shlemon Warduni, a Portugal, a convite da Fundação AIS - Ajuda à Igreja que Sofre, para darem o seu testemunho, de viva voz, sobre a situação de perseguição em que se encontram as comunidades cristãs nos seus países e, de modo geral, em todo o Médio Oriente.

A visita destes dois prelados coincide com o lançamento da Campanha de Natal da Fundação AIS, que este ano tem como principal objetivo apoiar os refugiados sírios que se encontram em fuga dentro do seu próprio país, ou em diversos campos de acolhimento em países da região, como a Turquia, Líbano e Jordânia.