A Administração Regional de Saúde (ARS) do Norte vai instaurar um processo de inquérito para averiguar as circunstâncias da morte de uma septuagenária na sexta-feira, depois de alegadamente encontrar o centro de saúde de Sabrosa fechado devido à greve.

Fonte da ARS Norte disse hoje à agência Lusa que, em articulação com o diretor executivo do Agrupamento de Centros de Saúde do Douro Norte, a Administração Regional «vai instaurar de imediato um processo de inquérito para averiguar exatamente o que se passou» em Sabrosa.

Uma mulher, de 74 anos e residente em São Cristóvão do Douro, concelho de Sabrosa, ter-se-á sentido mal e recorrido ao centro de saúde local, onde alegadamente não foi atendida porque a unidade de saúde não estava em funcionamento devido à greve do pessoal administrativo e auxiliar do setor da saúde que decorreu na sexta-feira.

O comandante dos bombeiros de Sabrosa, José Barros, confirmou que, por volta das 18:00, uma idosa se dirigiu às instalações da corporação «a pedir auxílio», chegando já «numa situação muito complicada».

«Pedimos de imediato auxílio diferenciado ao INEM, que acabou por chegar, mas já não havia nada a fazer. Entretanto a senhora acabou por falecer», referiu o responsável.

A mulher chegou aos bombeiros numa viatura particular e acompanhada de familiares.

Agora, segundo a ARS, o processo de inquérito vai permitir perceber exatamente o que se passou e as circunstâncias em que a mulher morreu.

Para o efeito, serão ouvidos todos os intervenientes no processo, desde o pessoal médico e administrativo do centro de saúde, aos bombeiros e familiares da idosa.