O Tribunal da Relação de Lisboa (TRL) decidiu entregar às autoridades italianas a ex-agente da CIA Sabrina de Sousa, condenada à revelia em Itália, mas impôs condições que levam a que possa vir a cumprir pena em Portugal.

Fonte do TRL adiantou à agência Lusa, nesta terça-feira, que, uma vez que Sabrina de Sousa foi julgada e condenada à revelia em Itália, sem ter sido notificada da decisão, tem agora duas hipóteses: ou aceita a sentença proferida em Itália, podendo eventualmente recorrer da mesma naquele país, ou pede a realização de um novo julgamento, já que não foi notificada da primeira decisão.

Em qualquer das situações, se Sabrina de Sousa, 59 anos, nascida em Goa, Índia, com dupla nacionalidade (norte-americana e portuguesa), tiver de cumprir pena de prisão, quer no âmbito do processo em que foi julgada à revelia, quer na sequência de novo julgamento, a medida será cumprida em Portugal.

Sabrina de Sousa foi condenada à revelia em Itália a cinco anos de prisão por envolvimento no rapto do radical islâmico egípcio Abu Omar, ocorrido em 2003, em Milão.

A antiga agente da CIA foi detida pelo Serviço de Estrangeiros e Fronteiras (SEF), no aeroporto de Lisboa, em Outubro último, dando cumprimento a um mandado de detenção europeu emitido pelas autoridades transalpinas.

A ex-operacional dos serviços secretos norte-americanos fazia escala em Lisboa, rumo ao Dubai, de onde seguiria para Goa, para visitar a mãe, que se encontrava doente.

Pouco tempo depois de ter sido detida em Lisboa, Sabrina de Sousa foi apresentada no TRL tendo-se oposto à extradição para Itália.