A PSP deteve sete pessoas que alegadamente recorriam a inibidores de frequência em sistemas de alarme para poderem levar, sem pagar, roupa de lojas instaladas em centros comerciais de seis distritos, anunciou, esta terça-feira, fonte daquela força policial.

«Os suspeitos recorriam a dispositivos que lhes permitia ‘calar’ os sinais sonoros dos pórticos antirroubo, colocados juntos às caixas dos estabelecimentos», explicou à agência Lusa uma fonte do Comando Metropolitano da PSP do Porto.

Acrescentou que os furtos foram «mais de três centenas» e concretizaram-se em lojas instaladas em centros comerciais dos distritos do Porto, Braga, Aveiro, Coimbra, Santarém e Lisboa. «Causaram assim milhares de euros de prejuízo aos operadores económicos», assinala um comunicado alusivo, entretanto emitido pela polícia.

Os suspeitos são quatro homens e três mulheres, com idades entre os 22 e os 33 anos de idade, sem residência fixa em Portugal, que foram detidos na segunda-feira, em Vila Nova de Gaia.

As detenções ocorreram durante uma operação policial que incluiu a realização de uma busca para a apreensão de «vários milhares de artigos de vestuário», um automóvel e três inibidores de frequência.

Na ação, dirigida pelo Departamento de Investigação e Ação Penal do Porto e descrita como sendo «de grande envergadura», estiveram envolvidos meios da Divisão de Investigação Criminal da PSP daquela cidade e do dispositivo territorial da policial de Braga.