Agricultores dos concelhos de Ponte de Sor e Mora, no Alentejo, estão preocupados com os furtos de gado nas suas explorações, mas a GNR garante já ter reforçado o policiamento e a fiscalização nas zonas rurais.

Paulo Tenreiro, que tem uma propriedade em Pavia, no concelho de Mora (Évora), contou, nesta segunda-feira, à agência Lusa, que se registam roubos nos dois concelhos "desde há um ano” e que se contabilizam já “mais de mil animais furtados, sobretudo ovinos”.

“Estamos a falar de prejuízos para os agricultores que podem atingir os 150 mil ou 200 mil euros, isto já para não falar de outros furtos que ocorrem, como de alfaias agrícolas, equipamentos e instalações”, disse.

Da sua propriedade, o criador indicou que foram furtados, em meados de dezembro, “mais de 80 ovinos adultos e mais 26 borregos”, tendo sido "o quarto furto" na freguesia de Pavia, mas, entretanto, “já houve um quinto”.

O agricultor e produtor suspeita que “haja uma rede organizada a trabalhar na região”, que furta os animais para “matadouros clandestinos e, depois, para a distribuição no mercado”, o que, alertou, “constitui motivo de alarme social”.

José Matafome, vice-presidente da Associação de Criadores de Ovinos da Região de Ponte de Sor (Acorpsor), também adiantou hoje à Lusa que têm ocorrido furtos de ovinos, principalmente nos últimos três meses, em Ponte de Sor, mas igualmente em Gavião (Portalegre).

“É uma situação que tem sido frequente e, nos últimos três meses, tem sido um disparate”, afirmou, alertando que os produtores “não se sentem protegidos” face aos constantes furtos.

Para acabar com a situação, o responsável propôs um maior controlo da circulação de pessoas em caminhos rurais e a aplicação, pelos tribunais, de penas mais gravosas.

Contactada pela Lusa, fonte da GNR confirmou o registo de furtos, sobretudo, de ovinos, mas também de aves e suínos, assinalando que a força de segurança reforçou o policiamento e a fiscalização nas áreas rurais, quer no seu patrulhamento diário, quer em ações específicas.

A mesma fonte adiantou que a Guarda está também a desenvolver contactos com representantes de associações agropecuárias para “estabelecer parcerias e coordenação de esforços” para a obtenção de melhores resultados no combate ao furto de gado.

Segundo dados disponibilizados à Lusa pela GNR, em 2015, foram registados seis furtos de gado em Pavia e Mora, no distrito de Évora, em que foram furtados 215 animais, e oito em Avis, Galveias, Montargil, Ponte de Sor e Sousel, no distrito de Portalegre, os quais resultaram em 167 animais furtados.