logotipo tvi24

Há cada vez mais portugueses a roubar para comer

Latas de atum e salsichas estão a substituir produtos de cosmética na lista dos bens furtados

Por: Redacção / Sofia Barciela/TVI    |   2013-01-25 14:25

Há cada vez mais portugueses a roubar para comer. Latas de atum e salsichas estão a substituir produtos de cosmética na lista dos bens furtados.

A realidade é descrita pela confederação do comércio e tanto PSP como GNR confirmam um aumento dos roubos nos supermercados.

Paulo Crosas tem uma cadeia de supermercados e diz que este tipo de roubo de bens essenciais aumentou nas suas cinco lojas no ano de 2012.

No top dos produtos alimentares mais roubados estão latas de atum e salsichas e, em 32 anos de negócio, só agora se depara com este problema.

A Confederação do Comércio representa 200 mil empresas muitas do sector da alimentação e, apesar de confirmar esta tendência, avisa que os números não podem reflectir a realidade porque muitos casos não chegam a motivar queixa.

A TVI contactou a Associação Portuguesa de Empresas de Distribuição que representa os hipermercados. A APED ainda está a estudar os produtos que foram roubados em 2012 e adianta que tem reforçado a segurança.

Partilhar
EM BAIXO: Alimentos
Alimentos

PSP remove morteiro encontrado no Tejo
Autoridades montaram perímetro de segurança
MP arquiva investigação a dois administradores no caso BES Vida
Investigação não encontrou «indícios suficientes da sua participação nos factos»
Submarinos: ex-responsáveis por contrapartidas sem meios para atuar
Ex-presidentes da Comissão Permanente de Avaliação das Contrapartidas queixaram-se da falta de meios orçamentais e humanos para a missão de fiscalização dos contratos com fornecedores de material militar
EM MANCHETE
BES desconvoca Assembleia Geral de Acionistas
Ações caem mais de 12% após anúncio. Legitimação da equipa de Vítor Bento não está em causa. Banco deve acumular prejuízos de 3 mil milhões de euros
Portugal suspende representação diplomática na Líbia
Diretores de serviço do Garcia de Orta denunciam situações graves