Catorze pessoas são acusadas pelo Ministério Público de terem roubado casas e empresas em 11 localidades do país. Os crimes renderam mais de 416 mil euros, em bens e valores ( 416.836,48 euros, ao certo).

«Os factos reportam-se ao cometimento de assaltos a casas de residência e a instalações de empresas», realizados entre 15 de julho do ano passado e o dia 11 de março, nas localidades de Paredes, Maia, Rio Tinto (Gondomar), Leça do Balio (Matosinhos), Guimarães, Caldas das Taipas (Guimarães), Santarém, Paços de Ferreira, Terras do Bouro, Gaia e Cabeceiras de Basto, lê-se na página da internet da Procuradoria-geral Distrital do Porto.

Dez dos arguidos são acusados pela prática de crimes de furto qualificado, sete por infração de roubo agravado, três pelo crime de falsificação e dois pela prática do crime de recetação.

«Os assaltos eram planeados por três dos arguidos, que angariavam, caso a caso, os operacionais necessários à concretização».

Os locais a assaltar eram previamente identificados por «informadores», que depois «davam indicações sobre o respetivo recheio».