“Os miúdos estavam mais despertos, conseguiam trabalhar melhor. É preciso perceber os horários de sono dos adolescentes”.


diretor do Instituto de Ciências da Saúde da Universidade Católica Portuguesa