Sá Fernandes condenado por gravar conversa ilegalmente

Advogado, que tinha sido absolvido na primeira instância, vai recorrer para o Supremo. Em causa, o caso Bragaparques

Por: tvi24 / SM    |   2 de Maio de 2012 às 11:21
O Tribunal da Relação de Lisboa condenou o advogado Ricardo Sá Fernandes pelo crime de gravação ilícita de uma conversa em 2006 com o empresário da Bragaparques Domingos Névoa, avança o jornal «Público».

Segundo o jornal, as juízes agora optaram por não fixar a pena, que varia entre prisão até um ano e multa até 240 dias, para que a decisão fosse recorrível para o Supremo Tribunal de Justiça, um recurso que Sá Fernandes já anunciou.

O advogado tinha sido absolvido na primeira instância, mas o empresário recorreu, o que levou o caso até à Relação. Os desembargadores criticam a decisão anterior do tribunal considerando que foi um «erro notório na apreciação da prova». «Sendo o arguido advogado, nunca o mesmo poderia ter agido desconhecendo o carácter proibido e punido da sua conduta, que o é, inquestionavelmente, como bem o demonstra o prof. Costa Andrade», diz o acórdão citado pelo «Público».

O tribunal de primeira instância considerou que Sá Fernandes efetuou a gravação porque foi confrontado com uma situação de perigo. Mas a Relação considera que o advogado não só não recusou o convite do empresário para se encontrar com ele, como se muniu «do equipamento necessário para registar o acontecimento». Para os desembargadores, o perigo «só existiria se ele próprio o criasse, indo ao encontro» de Domingos Névoa.

Foi com base na gravação desta conversa que Sá Fernandes se apresentou no Ministério Público e se ofereceu para ser agente encoberto na investigação a um alegado crime de corrupção pelo qual Domingos Névoa acabou condenado no Supremo Tribunal de Justiça. O empresário estava acusado de ter tentado subornar o vereador José Sá Fernandes, irmão do advogado agora condenado, para que este desistisse da ação popular que contestava a permuta dos terrenos do Parque Mayer pelos da Feira Popular.
Partilhar
EM BAIXO: Sá Fernandes
Sá Fernandes
COMENTÁRIOS

PUB
Défice da Segurança Social já é duas vezes maior do que devia

Só até agosto, saldo negativo foi de 829 milhões de euros. Meta para todo o ano de 2014 era de 495 milhões. Relatório da UTAO indica, também, que pensionistas já deram 455 milhões ao Estado com contribuição extraordinária de solidariedade. Unidade técnica de apoio ao Parlamento critica, ainda, uso dos impostos para pagar despesa pública que não estava prevista