Estávamos no segundo dia do mês de setembro quando o Estado Islâmico divulgou o segundo vídeo de uma decapitação de um cidadão norte-americano. Era o segundo jornalista que perdia a vida algures no deserto entre a Síria e o Iraque, de uma forma que chocou o mundo. A sua decapitação foi a notícia mais lida do mês no site da TVI24.

                  

Um dia antes, tinha então entrado o novo mês, uma outra morte era dada a conhecer. Numa praia de Lincoln City, nos Estados Unidos, uma menina de nove anos ficava soterrada depois de cavar um buraco na areia. A pequena Isabel ainda foi socorrida, mas acabaria por morrer já no hospital.

E o mês de setembro parecia continuar no mesmo caminho e, apenas cinco dias depois, outra tragédia era dada a conhecer, desta vez em Portugal. Três pessoas perderam a vida enquanto assistiam a uma competição de rali na Serra da Penha, em Guimarães, na sequência do despiste de um dos condutores.

                       

As vítimas foram duas crianças de 8 e 13 anos, e a mãe de um dos rapazes, com 50.

Mais para o final do mês, coincidindo com o final do Verão, chegou o mau tempo e chuva, muita chuva. Nesta notícia não houve mortos a registar, mas já as inundações e os estragos materiais, principalmente na zona da Grande Lisboa, foram muitos. A galeria de fotos, ilustra bem, o que se passou a 22 de setembro.

Numa nota mais positiva, o vídeo mais visto do mês de setembro é um momento de humor gravado no programa da TVI24, «Prolongamento». Uma conversa sobre a presença do Sporting na Liga dos Campeões, entre Manuel Serrão e Eduardo Barroso, em que este último previa que nem o Chelsea de José Mourinho conseguiria vencer em Alvalade (O Sporting acabaria por perder 0-1). Manuel Serrão decidiu «ligar» a José Mourinho em pleno programa para saber a sua opinião.

Uns dias antes, os leitores da TVI24 conheciam a história do «povo que não adoece nem envelhece». A notícia que se tornaria a segunda mais vista do mês conta a história da povoação que vive junto ao rio Hunza, na fronteira entre a Índia e o Paquistão, conhecida como o «oásis da juventude». Um local onde os habitantes vivem, em média, 120 anos, quase nunca ficam doentes e têm uma aparência sempre jovem.