A Igreja de São Cristóvão, uma das mais antigas de Lisboa, vai recorrer a formas e métodos de financiamento alternativos, como o crowdfunding, para restaurar uma tela do século XVII, a Última Ceia de Jesus, anunciou a paróquia.

A tela do pintor régio Bento Coelho da Silveira, desaparecida há décadas, foi encontrada bastante danificada, atrás do altar-mor da Igreja. A Última Ceia de Jesus “é uma peça central do programa iconográfico que ainda se mantém, na íntegra, no interior da Igreja”.

A pintura, juntamente com outras duas colocadas na capela-mor, as Bodas de Caná e o Sacrifício de David, retrata a teologia católica da Eucaristia como Sacrifício e Banquete.

Assim sendo, e dada a importância desta obra e a urgência de uma operação especializada que impeça a sua perda irremediável, a Paróquia de São Cristóvão decidiu lançar uma ação de “crowdfunding”, ou seja, de financiamento coletivo, para recuperá-la.



A ação decorre na plataforma PPL Crowdfunding Portugal, e, caso tenha sucesso, os visitantes poderão acompanhar os trabalhos de restauração, no local.

Este projeto, Arte Por São Cristóvão, tem o apoio e envolvimento da Câmara Municipal de Lisboa e dos parceiros institucionais do projeto do Orçamento Participativo Arte Por São Cristóvão, nomeadamente a Junta de Freguesia de Santa Maria Maior, a EGEAC [empresa municipal responsável pela gestão de equipamentos e animação cultural] e o Patriarcado de Lisboa, esclarece a Lusa. 

O Arte Por São Cristóvão, conta ainda com um programa que inclui, entre outras atividades, “workshops”, visitas guiadas, espetáculos de fado com artistas locais, concertos de música clássica, encontros e conversas sob o tema da salvaguarda e preservação do património religioso.