A equipa da Polícia Marítima que está na Grécia resgatou esta sexta-feira mais 42 migrantes no mar, totalizando 3.079 pessoas retiradas de botes no mediterrâneo desde outubro, onde “está a haver um aumento de travessias”.

De acordo com um comunicado da Polícia Marítima, esta sexta-feira de manhã, durante uma patrulha de controlo de fronteiras da União Europeia, foram detetados dois botes a atravessar o mar Egeu a caminho da Grécia e resgatados 42 migrantes e refugiados.

“Os botes indicavam as habituais fragilidades deste tipo de construções, estando a meter água para o seu interior. A equipa decidiu resgatar todos os emigrantes e refugiados, muitos deles já molhados e com frio, para a embarcação ARADE, em simultâneo. Foram depois distribuídas águas e mantas térmicas”, explica-se no comunicado da Polícia Marítima.

Dos 42 migrantes, cinco eram crianças e 12 mulheres. Entre outras nacionalidades estavam cidadãos da Síria, Iraque, Afeganistão, Serra Leoa, Mali, Congo e Sudão.

Os migrantes foram transportados para o porto de Skala Sikaminea e depois levados de autocarro para o Campo de Moria.

De acordo com o comunicado, em apenas dois dias a equipa da Polícia Marítima resgatou 66 migrantes de três embarcações.

“Está assim a registar-se um aumento do número de travessias desde que foi assinado o acordo entre a União Europeia e a Turquia, no final do passado mês de março”, assegura a Polícia Marítima.

Desde outubro a Polícia Marítima já resgatou 3.079 migrantes no mar Egeu (mar interior do Mediterrâneo), dos quais 820 bebés e crianças e 661 mulheres.

A equipa, para cooperar no controlo e vigilância das fronteiras marítimas gregas e no combate ao crime transfronteiriço, vai estar a apoiar a Guarda-Costeira grega até final de setembro,

O trabalho da Polícia Marítima integra-se na missão da agência FRONTEX - Agência Europeia de Gestão da Cooperação Operacional nas Fronteiras Externas dos Estados-Membros da União Europeia.