A equipa da Polícia Marítima (PM) que se encontra integrada na missão POSEIDON SEA, na Ilha Grega de Lesbos, resgatou "no final de uma patrulha noturna, já de madrugada" 33 refugiados que se encontravam dentro de "uma embarcação aparentemente vazia, sem ninguém ao seu governo", revela a PM em comunicado.

"A embarcação levava um rumo irregular e dirigia-se para uma zona rochosa" quando a PM se decidiu aproximar desta e "revistá-la com o objetivo de clarificar a situação".
 

"Constataram que a embarcação tinha a bordo 33 refugiados e que navegava em piloto automático após ter sido abandonada por um facilitador, deixando à sua sorte sete crianças, cinco mulheres e 21 homens".


Antes de resgatar as mulheres e crianças para a embarcação portuguesa “Tejo”, a equipa da polícia marítima "forneceu coletes salva-vidas aos refugiados que não dispunham deste equipamento de segurança".

"Os restantes refugiados mantiveram-se no pequeno veleiro que foi depois governado por um dos quatro elementos da PM que se encontrava na patrulha, auxiliado por um segundo membro da equipa. A embarcação dos refugiados foi acompanhada de perto pela embarcação portuguesa até ao porto mais próximo onde todos desembarcaram em segurança."


Desde 01 de outubro que uma equipa da Polícia Marítima está no Mar Egeu, na Grécia, no âmbito de uma operação da Agência Europeia da Gestão da Cooperação Operacional nas Fronteiras Externas dos Estados-Membros da União Europeia (Frontex), denominada “Poseidon Sea 2015” com “o objetivo de cooperar no controlo e vigilância das fronteiras marítimas gregas e no combate ao crime transfronteiriço”.

A PM vai manter o seu apoio à guarda-costeira Grega, integrada na missão da agência FRONTEX, até ao dia 30 de setembro de 2016.

Desde o início da missão e até ao momento que a PM resgatou em segurança e transportou para terra cerca de 1300 refugiados, entre os quais 261 crianças e 282 mulheres.