As autoridades recorreram esta segunda-feira à via aérea para resgatar, de um barco ao largo de Leixões, um tripulante que precisava de assistência hospitalar, indicou a Marinha, precisando que a opção se ficou a dever a condições meteorológicas «extremamente adversas».

O tripulante de nacionalidade turca, com cerca de 30 anos de idade, seguia no navio Tana, com bandeira de Malta. O barco encontrava-se a navegar a cerca de 37 quilómetros a noroeste do porto de Leixões, Matosinhos.

A operação de resgate teve que decorrer por via área, face às condições meteorológicas «extremamente adversas que se faziam sentir no local», com vento de 40 quilómetros hora e ondulação com mais de seis metros de altura, de acordo com informação da Marinha Portuguesa.

O tripulante foi, posteriormente, transportado para o aeroporto Sá Carneiro, no Porto, local a partir de onde foi encaminhado para o Hospital de São João, em situação considerada «estável».

A operação de resgate do tripulante foi coordenada pelo Centro de Coordenação de Busca e Salvamento Marítimo de Lisboa (MRCC Lisboa), em articulação com o Centro de Orientação de Doentes Urgentes Mar (CODU-Mar) do INEM e a Força Aérea Portuguesa.