A Ordem dos Médicos defendeu hoje a abertura de procedimentos disciplinares a todos os médicos que alegadamente estão envolvidos no desvio de doentes do setor público para o privado, denunciado pelo Repórter TVI.

Em comunicado, a Ordem dos Médicos diz lamentar «profundamente» a gravidade de alguns dos dados apresentados e «a forma pouco edificante como diversos profissionais médicos terão atuado no desempenho das suas funções públicas, em flagrante delito com os princípios éticos e deontológicos» que devem reger a profissão.

«Por esta razão, (...) defendemos a abertura de procedimentos disciplinares a todos os médicos potencialmente envolvidos, para um cabal apuramento da veracidade dos factos e respetivas responsabilidades», lê-se no comunicado, citado pela Lusa.

Por outro lado, a Ordem entende que «devem ser aplicadas, de forma rigorosa, as sanções disciplinares previstas pela violação da Ética e do Código Deontológico da Ordem dos Médicos, caso seja comprovado comportamento doloso por parte dos profissionais envolvidos».

Nesse sentido, a OdM enviou o conteúdo da reportagem da TVI para o conselho disciplinar do Norte da Ordem dos Médicos.

Apesar da posição agora tornada pública, a Ordem dos Médicos considera que a reportagem «um lamentável exercício de tomar a árvore pela floresta», que sugere que os comportamentos denunciados «são uma prática corrente dos médicos».

«Esta inferência constitui uma enorme falsidade e afeta a reputação e o bom nome de uma classe profissional que, na sua esmagadora maioria, defende o interesse das populações com invulgar dedicação e nobreza», diz a Ordem.

Acrescenta ainda que mantém a confiança nos milhares de profissionais que diariamente «dignificam a medicina e respeitam os doentes».