Repórter TVI esta noite: «Faturas de betão»

Em plena crise, vão ser construídas em Portugal nove barragens. A TVI foi investigar se este investimento vale a pena e quais as explicações para os custos da electricidade. Esta é a a grande reportagem desta noite no Jornal das 8.

Por: Redação / Carlos Enes    |   7 de Maio de 2012 às 17:17
As facturas de electricidade não param de subir. Mas, em plena crise, Portugal vai investir na construção de barragens o equivalente a três pontes Vasco da Gama. Como será depois?

«As hídricas não têm sobrecusto para o cliente. As hídricas se não foram capazes de competir com as outras 400 centrais que existem na Península Ibérica não trabalham. Os clientes não vão pagar nada daquilo, tirando a garantia de potência», defende António Castro, administrador da EDP.

A garantia de potência é um subsídio de 50 milhões de euros por ano que os consumidores de electricidade terão de pagar às novas barragens, durante dez anos.

«As novas grandes barragens não são um problema das populações locais, ou dos ambientalistas, são um problema de todos nós, porque nos vão ao bolso. Estas nove novas barragens vão custar-nos um aumento de 10 por cento na factura de electricidade», considera Joanaz de Melo, professor universitário na área de engenharia do Ambiente.

As novas barragens não terão apenas um, mas dois muros de betão, para poderem pôr os rios a correr ao contrário e usar várias vezes a mesma água. Só que para isso vão gastar mais energia eléctrica do que aquela que poderão produzir.

«Quando existe água em vez de a turbinar uma vez e deixar seguir para o Mar, faço retenções mais à frente, bombeio, e posso turbiná-la outra vez e várias vezes e andar neste ciclo várias vezes. E não tem nada a ver com eólicas», sustenta Nuno Ribeiro da Silva, presidente da Endesa.

Veja no Jornal das 8 desta noite a versão na íntegra desta reportagem
Partilhar
EM BAIXO: Repórter TVI: «Faturas de betão»
Repórter TVI: «Faturas de betão»

COMENTÁRIOS

PUB
Ataque ao parlamento canadiano foi feito por «um terrorista»

«O tiroteio que ocorreu durante a manhã no bloco central do parlamento foi um ataque a todos os canadianos», disse o primeiro-ministro do Canadá, Stephen Harper, na primeira reação ao atentado. O governante sublinhou que o Canadá não vai deixar-se intimidar pelo ataque. Suspeito tinha passaporte apreendido por ser considerado um viajante de «alto risco». Especialista em segurança alerta para a possibilidade de existir agora mais risco de atentados no Ocidente