Renato Silva, o jovem português de 26 anos que foi baleado pelo autor do atentado desta sexta-feira, em França, está em "coma induzido e tem a bala alojada no cérebro", confirmou o secretário de Estado das Comunidades à TVI24.

Segundo a mesma fonte, "é uma situação delicada e as próximas horas são críticas". 

"O estado é bastante grave. [O Renato] está numa unidade de neurocirurgia e está a ser objeto de um conjunto de avaliações, embora tenha um prognóstico reservado, mas pode-se dizer que está em coma induzido, na medida em que foi alvo de um tiro que se alojou no cérebro. É uma situação de grande melindre, de grande delicadeza", afirmou José Luís Carneiro, acrescentando que falou com o médico responsável pelo acompanhamento do jovem português.

O jovem é natural de Coimbra e tinha emigrado há dois anos para se juntar aos pais. De acordo com o secretário de Estado, apenas o pai de Renato Silva, que está emigrado há 11 anos, se encontra registado no consulado em França e os serviços consulares já estão a "preparar todos os documentos de caráter administrativo e consular para que a família continue a usufruir deste apoio das autoridades".

"Na segunda-feira, todos os documentos da mãe e do filho estarão disponíveis e há um canal criado diretamente com a prefeitura com os serviços consulares de Toulouse, tendo em vista garantir este acompanhamento permanente e disponibilização do apoio do Estado português, em contacto com as autoridades francesas a esta família".

Renato Silva, que foi vítima de carjacking quando viajava com um cidadão de origem francesa, que morreu, foi o único português atingido no ataque. A família está a receber todo o apoio psicológico por parte do hospital e das autoridades portuguesas.

"Neste momento, o que conseguimos garantir foi todo o apoio da direção do hospital e também da prefeitura, à família para que aqui possa continuar a acompanhar o seu estado. Daí que tenha sido mobilizada uma equipa de apoio psicológico e social do próprio hospital, durante a tarde estará com a família uma equipa de apoio à vítima de terrorismo que tem também trabalho aqui na região. E, por outro lado, o diretor do hospital garantiu alojamento e alimentação para os próximos dias à família", acrescentou.

Marcelo falou com pai do português

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, falou na sexta-feira à noite com o pai do português gravemente ferido em Trèbes, prestando a sua solidariedade e desejando as melhoras, divulgou a presidência.

"O Presidente da República falou esta noite com o pai da vítima portuguesa gravemente ferida no ataque em Trèbes, desejando as melhoras e a manifestar a sua solidariedade neste momento difícil", lê-se na mensagem divulgada no sítio da internet do Palácio de Belém.

Marcelo Rebelo de Sousa transmitiu igualmente, "em nome de todos os portugueses", a sua solidariedade para com o povo francês, ao Presidente da República Francesa, Emmanuele Macron, "especialmente para com as famílias das vítimas de mais este atroz ato terrorista naquele país".

"O Presidente da República sublinha a sua convicção na importância da Europa se manter unida no combate à violência e ao terrorismo", sublinha o Palácio de Belém.

O ataque ocorreu em Carcassonne e Trèbes, no sul de França e provocaram quatro mortos. O atacante, que sequestrou trabalhadores e clientes num supermercado, afirmando agir em nome do grupo extremista Estado Islâmico, foi abatido pela polícia.