Mais de um quarto (28,6%) dos cidadãos estrangeiros residentes em Portugal em 2013 viviam em situação de «privação material severa», na sua maioria cidadãos extra-comunitários, de acordo com um relatório divulgado esta sexta-feira em Bruxelas pelo Eurostat.

O relatório do gabinete oficial de estatísticas da União Europeia sobre inclusão social dos migrantes na UE, referente ao ano de 2013, mostra ainda que Portugal era um dos sete Estados-membros onde mais de metade (51,7%) dos cidadãos residentes oriundos de países de fora da UE se encontrava em risco de pobreza ou exclusão social.

Portugal é também dos países onde é mais acentuada a diferença entre as taxas de pessoas em risco de pobreza ou exclusão social e de pessoas em privação material severa quando comparados os valores entre os cidadãos nacionais e estrangeiros.

Relativamente aos cidadãos com mais de 18 anos em «privação material severa», Portugal apresenta o terceiro maior «fosso» entre as taxas referentes a cidadãos nacionais (9,9%) e cidadãos extra-comunitários (30,8%) – uma diferença de 20,9 pontos, apenas superada na Grécia e Bélgica -, enquanto a taxa de cidadãos de outros Estados-membros da UE nessa situação era de 17,1%.

Em média, 14,7 dos cidadãos estrangeiros a residir na UE encontravam-se em situação de privação material severa (7,4 de cidadãos de outro Estado-membro e 20,7 de cidadãos extra-comunitários), contra 8,9% dos cidadãos nacionais.

Já quanto aos cidadãos em risco de pobreza ou exclusão social, Portugal apresentava em 2013 uma taxa de 26% para os cidadãos nacionais e 48,8% para os cidadãos estrangeiros, sendo que, neste caso, a taxa era de 33,7% para cidadãos de outros países da UE e de 51,7% para cidadãos extra-comunitários.

Em termos gerais, a taxa de cidadãos nacionais nos Estados-membros em risco de pobreza era de 22,8% enquanto aquela referente a estrangeiros atingia os 40% (28,1% para outros cidadãos comunitários e 48,7% para não-comunitários).

Por situação de «privação material severa» entende-se os cidadãos que não conseguem cumprir pelo menos quatro de nove elementos tais como pagar um empréstimo de casa ou faturas correntes, aquecer convenientemente a residência, consumir carne ou peixe ou o equivalente em proteínas a cada dois dias, ter uma máquina de lavar roupa ou um televisor, ou ter uma semana de férias fora por ano, por exemplo.