De acordo com a Casa Real Espanhola, a operação, que durou duas horas e meia, foi considerada «bem sucedida» e permitiu a instalação de uma prótese temporária na anca esquerda.

Juan Carlos, de 75 anos, deverá no entanto voltar a ser operador dentro de «pelo menos oito semanas» para que lhe seja colocada uma prótese permanente, adiantou Miguel Cabanela, um dos maiores especialistas espanhóis que veio especialmente dos Estados Unidos para liderar esta cirurgia.

Quando chegou de carro ao hospital privado de Quiron, em Pozuelo de Alarcon, nos subúrbios de Madrid, o rei, sorrindo, acenou aos jornalistas, respondendo com um «muito bom» quando questionado como estava.

Algumas horas mais tarde, quando a rainha Sofia chegou para visitar o marido, um homem nu veio até à entrada do hospital a gritar «Não aos crimes das secretas da CIA!», mas foi logo detido pelos serviços de segurança.

Depois das dificuldades no movimento e dores manifestadas nas últimas semanas, os médicos diagnosticaram uma infeção e decidiram realizar uma cirurgia, destinada a substituir a prótese que lhe tinha sido colocada em Novembro de 2012, avança a Agência Lusa.

Esta foi a oitava cirurgia do monarca em dois anos e meio e ocorreu apenas seis meses após sua última passagem pelo bloco operatório devido ao agravamento de uma antiga hérnia discal.

Os problemas de saúde do rei levou Espanha a debater a possibilidade de abdicar a favor do príncipe Felipe.

Na sexta, o chefe da Casa Real, Rafael Spottorno, afirmou que «o rei, em nenhum momento, tem a intenção de abdicar», adiantando que este «não é impedido nas suas funções e não há necessidade de se considerar a regência».

Esta cirurgia levanta ainda uma certa polémica tendo em conta a escolha de um hospital privado em vez de um público, revela a versão online do «20minutos».