O outono, estação associada à queda das folhas e a castanhas assadas, regressa hoje às 21:44, num dia com temperaturas próximas das médias mais altas registadas nos últimos anos, nesta época, mas sem atingir o pico de 2004.

As previsões do Instituto Português do Mar e Atmosfera (IPMA) para hoje apontam para céu pouco nublado ou limpo, com períodos de maior nebulosidade no interior, durante a tarde, e vento fraco, mas a soprar moderado nalguns períodos no Algarve e nas terras altas do norte e centro.

As temperaturas devem situar-se entre os 34 graus Celsius em Beja, Évora, Braga e Coimbra, e os 27 graus em Sagres (Algarve), ou seja, «será uma entrada quente no outono, aproximando-se da situação de 2004», disse à agência Lusa a especialista do IPMA Fátima Espírito Santo.

A climatologista explicou que setembro e outubro são meses de transição e «registam grande variabilidade no clima», podendo ser mais quentes ou mais frios, com máximas de 40 graus Celsius ou com pouco mais de 20, mais chuvosos ou mais secos, «o que pode resultar numa grande gama de temperaturas».

A partir de uma análise para os dias 22 e 23 de setembro dos últimos 13 anos, já que o equinócio de outono pode ocorrer num ou noutro dia, Fátima Espírito Santo encontrou as temperaturas médias nacionais mais baixas em 2001 e 2002 e a mais alta em 2004, com 33 graus.

Quanto aos meses de outubro, o mais quente foi em 2011, e nos últimos anos estes dias «têm sido chuvosos», acrescentou.

Questionada acerca das consequências visíveis das alterações climáticas, a especialista afirmou não ser possível dizer que nos últimos anos os outubros têm sido cada vez mais quentes. «Há grande variabilidade e não há uma tendência definida».

O equinócio de outono, ou a chegada da «nova» estação, é assinalado pelo Observatório Astronómico de Lisboa com a atividade «Bons Raios Te Meçam», com a repetição de uma experiência realizada pela primeira vez há mais de dois milénios, por Eratóstenes.

A instituição explica que, analisando a sombra de objetos em dois lugares diferentes ao meio dia solar, e juntando alguma matemática, Eratóstenes foi o primeiro a apresentar um valor para o raio da terra.

Em Lisboa, entre as atividades propostas está a observação do sol com telescópios, a construção de relógios de sol, a medição da altura máxima solar pelas 12:29 com diversos instrumentos e o cálculo do raio terrestre.

O equinócio de outono refere-se ao instante em que o sol, tal como é visto a partir da terra, cruza o plano do equador celeste, o que acontece em setembro no hemisfério sul e em março no hemisfério norte.

Durante os equinócios, os dias e as noites têm a mesma duração, de aproximadamente 12 horas.

Devido às variações dos anos trópicos, que podem não ter exatamente 365 dias, as datas dos equinócios variam de ano para ano, ao longo de períodos de 18 horas, podendo ser no mesmo dia, refere o site do Observatório Astronómico.