Vinte e quatro migrantes de um veleiro encalhado e abandonado por facilitadores foram nesta quinta-feira resgatados pela equipa da Polícia Marítima portuguesa colocada na ilha grega de Lesbos, integrada na missão da agência FRONTEX/POSEIDON SEA 2016.

Segundo refere um comunicado da Autoridade Marítima Nacional, em causa estava um veleiro, com cerca de 25 metros e com 58 emigrantes a bordo, que estava encalhado numa zona de rochas e sem acesso a terra. Os facilitadores haviam abandonado o veleiro e o grupo de refugiados e emigrantes logo que o veleiro encalhou.

Um primeiro grupo de 34 pessoas foi resgatado pela Guarda Costeira Grega (GCG) e o segundo grupo de 24 pessoas foi resgatado pela equipa da Polícia Marítima (PM) portuguesa para o interior da embarcação ARADE.

No total, foram resgatadas quatro crianças, um bebé de 10 meses, cinco mulheres e 14 homens. As pessoas resgatadas eram naturais da Síria, Afeganistão e Paquistão.

À chegada ao porto de Sigri, onde todos desembarcaram em segurança, já se encontravam elementos da GCG e da agência FRONTEX que ajudaram no desembarque dos viajantes e garantiram o seu controlo e registo.

Desde 1 de outubro de 2015, a PM já resgatou 3037 migrantes e refugiados, incluindo 815 bebés e crianças e 649 mulheres, e deteve cinco facilitadores.

A equipa da PM é composta por 11 agentes, um técnico para o apoio e a manutenção das embarcações e um técnico para a manutenção da componente elétrica e eletrónica da embarcação.

A PM vai manter o seu apoio à GCG no controlo e vigilância das fronteiras marítimas gregas e no combate ao crime transfronteiriço, até 30 de setembro de 2016.