“Cada um de nós traga uma família como a nossa para Portugal, para viver nas condições em que vivemos. Boas ou más, são bastante melhores do que aquelas em que eles se encontram e para isso vamos contar com o apoio e com a colaboração de ONG [Organizações não Governamentais] que estão no terreno neste momento a ajudar os refugiados”, adiantou Nuno Félix.










“Primeiro porque não estamos num âmbito da imigração ilegal, segundo estão a realizar um procedimento de acolhimento que a lei do asilo prevê como sendo procedimento que o próprio Estado deve desenvolver, mas que não proíbe que isso seja realizado pela sociedade civil”, explicou.






“Cada um de nós é responsável pela família que transportar no seu carro, e é responsável não só durante a viagem, mas após a sua chegada aqui a Portugal e terá de ter as capacidades e a responsabilidade de assumir todas as consequências que pode ser ter uma família destas a cargo”, afirmou.