Quase 48.000 refeições foram servidas diariamente a famílias carenciadas, nas cantinas sociais, nos primeiros seis meses deste ano, número similar às fornecidas por dia, durante o ano passado, revelam dados do Instituto da Segurança Social.

No primeiro semestre do ano, “estavam em vigor 843 protocolos e o total de refeições contratualizadas foi de 47.826 refeições por dia”, sendo o valor pago pelo Estado de 2,50 euros por refeição.

No total, foram servidas até 30 junho cerca de 8,6 milhões de refeições nos primeiros seis meses do ano nas 843 cantinas sociais espalhadas pelo país.

No ano passado estavam em vigor 845 protocolos para as cantinas sociais em todo o território continental e o total de refeições contratualizadas com as instituições foi de 49.024 refeições por dia, adiantam os dados da Segurança Social enviados à agência Lusa.

A maioria das cantinas está localizada no distrito de Lisboa (126), seguindo-se Santarém (113), Portalegre (60), Braga (58), Leiria (47), Faro (46), Porto, Beja e Setúbal (cada uma com 42), Aveiro (41), Viseu e Coimbra (ambas com 40), Guarda (33), Vila Real (26), Viana do Castelo e Évora (ambas com 23), Castelo Branco (22) e Bragança (19).

Contactado pela Lusa, o presidente da União das Misericórdias Portuguesas (UMP), Manuel de Lemos, disse que se verificou uma tendência para diminuir a procura nas cantinas sociais, sobretudo fora das zonas urbanas, “mas ainda há um número muito significativo de pessoas que vão às instituições” de solidariedade social.

“Convencionámos que devíamos, para já, manter o número de protocolos que temos, embora notássemos uma menor procura, sobretudo nas zonas menos urbanas”, afirmou Manuel de Lemos, explicando que o Estado só paga as refeições que são servidas.


Para o presidente da UMP, as cantinas sociais “foram fundamentais” para ajudar as famílias carenciadas durante a crise, tendo sido “um processo imediato, barato e eficaz”.

“Imediato porque não andámos a fazer investimentos, limitámo-nos a aproveitar a capacidade instalada que tínhamos nas cozinhas do setor solidário”, e “barato porque acordámos um valor com o Estado que é simbólico”, explicou.


Foi também eficaz porque respondeu “às necessidades das comunidades, sobretudo no número brutal de desempregados que tivemos na altura” e alcançou muitas pessoas que estavam numa situação de pobreza envergonhada, que “passavam dificuldades na área da alimentação e que por esta via encontraram um modelo que as deixaram mais confortáveis”, disse Manuel Lemos.

A Segurança Social contratualiza com cada instituição o número de refeições diárias a comparticipar, que pode ir de 65 até 100 refeições diárias, em função dos indicadores de risco de carência alimentar, sendo que “sempre que se afigura necessário, é reforçada a rede de cantinas sociais, com a celebração de novos protocolos”.

O Programa de Emergência Alimentar, uma das medidas do Programa de Emergência Social, constituiu em 2011 uma Rede Solidária de Cantinas Sociais em todo o país, assegurando que são providenciadas duas refeições diárias, de forma continuada durante todo o ano, a todas as famílias carenciadas que se dirijam às instituições de solidariedade social.