A Cruz Vermelha Portuguesa e a Direcção-Geral dos Serviços Prisionais pretendem reforçar a cooperação que têm vindo a desenvolver, mediante «acordos adicionais», com o objectivo de promover «melhor formação» dos reclusos e funcionários das prisões, noticia a Lusa.

Prisões com serviço diário de enfermagem

No âmbito do «acordo de parceria» estabelecido entre a Cruz Vermelha e os Serviços Prisionais a 17 de Dezembro de 2008, 16 delegações desta instituição humanitária e 18 estabelecimentos prisionais vão assinar segunda-feira «acordos adicionais» para definir os «termos concretos» da cooperação estabelecida entre as duas entidades.

«Esta parceria pretende apoiar os reclusos através do desenvolvimento da manutenção ou restabelecimento dos respectivos laços familiares, de modo a facilitar a preparação da saída do recluso e sua reinserção social. A parceria procura, ainda, promover uma melhor formação dos reclusos, colaboradores e funcionários dos estabelecimentos prisionais», refere a Cruz Vermelha em comunicado.

Numa fase inicial, adianta, serão desenvolvidas acções em diversos domínios, nomeadamente do ensino de socorrismo, actividades sócio-culturais e desportivas, educação para a saúde, apoio psicossocial e apoio à reinserção social dos reclusos.

A cerimónia de assinatura dos «acordos adicionais» realiza-se segunda-feira, no Estabelecimento Prisional de Lisboa, com a presença do presidente da Cruz Vermelha Portuguesa, Luís Barbosa, e da directora-geral dos Serviços Prisionais, Maria Clara Albino.