A Ordem dos Médicos apelou esta quinta-feira ao ministro da Saúde que deixe os clínicos usarem o anterior sistema informático para prescrição médica, uma vez que o atual «continua a dar múltiplos problemas diários».

«É um inexplicável absurdo e uma injustificável obstinação a prescrição eletrónica médica (PEM) estar a ser imposta sem previamente se encontrar completamente operacional. Tudo o que pedimos é que haja bom senso e que deixem os médicos trabalhar», lê-se na carta aberta da Ordem dos Médicos, a que a agência Lusa teve acesso.

A Ordem, que lembra que foram já vários os profissionais que alertaram para os problemas no PEM, pede ao ministro Paulo Macedo para que seja reativado o anterior sistema de prescrição.

No final do mês passado, o Sindicato Independente dos Médicos alertava no seu site para os «problemas constantes» na prescrição de medicamentos e de cuidados respiratórios domiciliários com a aplicação informática PEM, desenvolvida pelos Serviços Partilhados do Ministério da Saúde e que é de uso obrigatório.

Esta ferramenta, disponível tanto nas instituições de cuidados de saúde primários como em hospitais, visava possibilitar o envio de dados para o sistema central.