A Scotland Yard divulgou hoje dois retratos-robô de um homem que considera prioritário identificar no âmbito da investigação ao desaparecimento de Madeleine McCann, há seis anos em Portugal, anunciou a polícia britanica.

Os retratos foram desenhados com base em depoimentos e descrições de duas testemunhas diferentes, que terão visto o homem na zona da praia da Luz, no Algarve, onde a criança inglesa desapareceu, naquele dia, a 03 de maio de 2007.

O homem foi descrito como sendo de raça branca, com cabelo curto castanho e estatura média, idade entre os 20 e os 40 anos e cara sem barba, refere a Scotland Yard num comunicado da Polícia Metropolitana.

A equipa que está a efetuar uma revisão do caso está a concentrar atenções naquilo que terá acontecido no espaço temporal em que terá sucedido o «rapto», considerando assim «bastante mais significativos» os depoimentos destas testemunhas.

«Embora este homem possa ou não ser a chave para desbloquear esta investigação, encontrá-lo e falar com ele é vital para nós», afirmou o detetive Andy Redwood, citado pelo comunicado.

Os dois retratos serão mostrados na segunda-feira à noite no programa Crimewatch da estação pública BBC, dedicado à emissão de apelos públicos para obter informação relativa a crimes em investigação pela polícia.

Na emissão, além de Redwood, serão entrevistados os pais da criança, Kate e Gerry McCann, e mostrada uma reconstituição do que terá acontecido naquela noite para tentar estimular pessoas com informação sobre este homem, a contatar a polícia.

No programa será feito também um apelo às pessoas que tenham estado na Praia da Luz ou perto e que não tenham sido interrogadas pela polícia, a passar informação relevante sobre o caso.

O apelo público será feito pela Scotland Yard em programas equivalentes em canais televisivos da Alemanha, Holanda e Irlanda. O detetive encarregado pela investigação diz que pretende fazer o mesmo em Portugal.

«Isto está longe de ser de ser a nossa única linha de investigação e haverá mais retratos robô de outras pessoas, que também temos interesse em identificar. Essas pessoas foram vistas no dia do desaparecimento de Madeleine ou nos dias anteriores», vincou o detetive.

A polícia britânica diz ter a trabalhar nesta investigação, denominada «Operation Grange» cerca de 35 pessoas, contando ainda com seis elementos da diretoria de Faro da Polícia Judiciária destacados para assistir nas diligências necessárias.

Além de Portugal, as autoridades britânicas enviaram cartas para outros 30 países a pedir informação sobre pessoas e estão a analisar dados de telemóveis identificados como tendo estado na zona e hora do desaparecimento de Madeleine.

Quarenta e uma pessoas foram classificadas pela Scotland Yard «de interesse» para a investigação, das quais um número indeterminado de portugueses e 15 britânicos, sobre as quais a polícia pensa existirem «razões para desconfiar», nomeadamente antecedentes relacionados com pedofilia.