O tribunal de Santa Maria da Feira está a julgar três homens e uma mulher suspeitos de estarem envolvidos no rapto de um homem para cobrar uma suposta dívida de cerca de 40 mil euros.

Entre os arguidos estão um treinador de futebol e a sua companheira, que pretendiam desta forma cobrar uma dívida que a vítima teria para com eles, resultante de um negócio de roupa contrafeita e objetos de decoração.

Os outros arguidos são dois indivíduos, de 25 e 32 anos, que terão ajudado a praticar o rapto.

Os factos remontam a 14 de janeiro de 2012, cerca das 18:00, quando a vítima foi raptada em plena via pública, no lugar de Bustelo, em Oliveira de Azeméis, quando se encontrava a estacionar a sua viatura.

Segundo o despacho de acusação, a que a Lusa teve acesso, os suspeitos arrancaram o ofendido do interior do automóvel, onde se encontrava também a sua namorada, e arrastaram-no até outra viatura, onde foi introduzido à força.

De seguida, os raptores abandonaram o local em direcção a Cortegaça, no concelho de Ovar, onde se situa um estabelecimento comercial de decoração pertença da companheira do treinador de futebol.

O MP descreve que a vítima foi levada para as traseiras do referido estabelecimento onde foi mantida durante cerca de três horas, tendo sofrido agressões físicas e ameaças, não só à sua vida, como às da sua namorada e filha.

Os suspeitos acabaram por deixar o ofendido sair livremente do local, depois de o mesmo aceitar cumprir um acordo de pagamento que lhe foi imposto e que implicava a entrega ao casal de 50 euros por dia.

No despacho de acusação, o MP refere ainda que os arguidos praticaram o rapto usando meios tecnológicos de geolocalização e um aparelho inibidor de frequências GSM, para impedir comunicações de telemóvel.

Todos os arguidos estão acusados de um crime de extorsão e outro de violação de telecomunicações.