“O processo na Comissão [Europeia] foi iniciado em 2010, com queixas várias, e fica agora encerrado. O que significa essencialmente que a Comissão reconhece que a nossa legislação está conforme as normas e práticas europeias”, disse à Lusa o ministro da Educação, Nuno Crato.






Para Nuno Crato “devemos todos estar contentes por este processo ter sido arquivado, com este progresso que foi feito”, referindo que a contratação sucessiva de docentes foi um "problema herdado”, e que o Governo resolveu.


“Estamos sempre em diálogo com sindicatos, professores, associações representativos, mas isso não quer dizer que não consideremos que este processo está encerrado”, disse.