O homem suspeito de ter queimado a companheira, regando-a com gasolina, na sexta-feira passada, em Fernão Ferro, concelho do Seixal, ficou em prisão preventiva, informou esta terça-feira a Procuradoria-Geral Distrital de Lisboa (PGDL), na sua página da Internet.

Segundo o Ministério Público, o homem dirigiu-se ao depósito de gasolina do gerador que produzia eletricidade para o anexo onde vivia com a vítima, tendo retirado dali o combustível, com o auxílio de um instrumento.

«Num segundo momento lançou a gasolina sobre a cara e o peito da vítima, que estava vestida. Num terceiro momento, lançou-lhe fogo, com o auxílio de um isqueiro».


«Tendo em atenção este circunstancialismo e a zona do corpo atingida, cara e peito», o Ministério Público entendeu que “a conduta do arguido consubstanciava a prática de um homicídio qualificado, na forma tentada, na pessoa da sua companheira, ilícito por que ficou indiciado», informa a PGDL.

A detenção do suspeito, 27 anos, foi anunciada na sexta-feira pela GNR, dia em que ocorreu o crime, cerca das 05:00.

O suspeito foi detido pouco tempo depois da agressão por militares da GNR e a vítima, de 26 anos, foi transportada para o Hospital Garcia de Orta, em Almada.

Fonte hospitalar disse na altura à Lusa que a vítima foi posteriormente transferida de helicóptero para um Hospital do Porto, não tendo sido revelado o estado de saude da mulher.

O arguido foi presente a primeiro interrogatório judicial no sábado, em Almada, e o inquérito judicial prossegue agora no Ministério Público do Seixal.