O Cabido de Cardeais da Universidade do Minho decretou hoje luto académico na sequência da morte de três alunos daquela academia, o que implica a «suspensão imediata de qualquer tipo de praxes», informou fonte daquele órgão.

A suspensão é «por tempo indeterminado».

Paralelamente, a Associação Académica está a «repensar» as atividades previstas para o Enterro da Gata, cujo arranque está marcado para 9 de maio.

Vigília silenciosa na Universidade

Centenas de alunos da Universidade participaram numa vigília silenciosa de homenagem aos três estudantes daquela academia.

A vigília demorou largos minutos, não tendo a chuva intensa que caiu sido suficiente para desmobilizar os alunos.

Uma homenagem marcada por rostos carregados, algumas lágrimas, muita emoção e muito poucas palavras.

«Não há nada para dizer, é uma coisa que fica encravada cá dentro e que vai custar a sair», referia Pedro, um dos alunos presentes na vigília.

Um estudante da Universidade do Minho que assistiu ao acidente garantiu que o acidente ocorreu «num contexto de praxe, mas não por ordem de quem estava a praxar».

«Estava na esplanada de um café e assisti a tudo. É verdade que o acidente ocorreu num contexto de praxe, mas não foi resultado de uma qualquer ordem de quem estava a praxar», referiu Filipe Silva, aluno do 3.º ano de Línguas Aplicadas.

Filipe Silva referiu que estava a decorrer uma «guerra de cursos», entre alunos de Medicina e de Engenharia Informática.

«Mas uma guerra de cursos não é nenhuma batalha campal. É apenas um despique, para ver quem grita mais alto», explicou.

Disse ainda que os alunos do curso de Medicina já estavam a ir embora, por alegadamente terem perdido a guerra, ficando os de Engenharia Informática a «cantar vitória».

Nos festejos, três alunos subiram a um pequeno muro, que acabou por ceder, atingindo os colegas que estavam na base.

«Os praxantes também foram atingidos», disse ainda Filipe Silva.

Três alunos morreram e quatro sofreram ferimentos ligeiros.

O caso está a ser investigado pelas autoridades policiais e judiciais.