O presidente da Câmara do Funchal, Paulo Cafôfo, foi constituído arguido no caso da árvore que caiu na freguesia do Monte, na Madeira, confirmou a TVI24

O próprio confirmou, entretanto, em comunicado, a sua constituição como arguido e garantiu que está de "consciência tranquila". "Confirmo a minha constituição como arguido no decurso do inquérito mandado instaurar na sequência da queda de uma árvore ocorrida no dia 15 de agosto de 2017, na freguesia do Monte".

Nestas circunstâncias, comuns em processos desta natureza, colaborei sempre com a investigação, prestei todos os esclarecimentos e forneci ao processo todos os elementos para que se possa efetivamente apurar a eventual existência de responsabilidades".

Reeleito presidente da Câmara nas eleições autárquicas de 1 de outubro, Cafôfo diz que continuará "absolutamente disponível para cooperar e colaborar com a investigação". "Reforço que sempre cumpri para com todos os deveres que sobre mim impendem".

Estou de consciência tranquila em relação à minha atuação e ao meu dever para com a segurança dos funchalenses. O meu primeiro pensamento estará sempre com as vítimas deste acontecimento que ficará para sempre na minha memória".

Para além do autarca, foram também constituídos arguidos a vereadora do Ambiente, Idalina Perestrelo, e um funcionário da autarquia.

O Ministério Público confirmou mais tarde a constituição de três arguidos, prosseguindo ainda a investigação "para recolha de prova pericial forense".

Segundo um comunicado publicado na página da Procuradoria-Geral Distrital de Lisboa (PGDL), o que está em causa é "a averiguação da omissão do cuidado exigível na conservação do espaço urbano e da árvore".

Foram constituídos e interrogados como arguidos o senhor presidente da Câmara Municipal do Funchal [Paulo Cafôfo], a vereadora da Câmara Municipal do Funchal com o pelouro do Ambiente Urbano, Espaços Verdes e Espaços Públicos [Idalina Perestrelo] e o Chefe de Divisão de Jardins e Espaços Verdes Urbanos da Câmara Municipal do Funchal".

A árvore em causa era um carvalho. Caiu a 15 de agosto do ano passado, no Largo da Fonte, quando uma multidão aguardava pela procissão da Nossa Senhora do Monte.

O incidente causou a morte a 13 pessoas e cerca de 50 ficaram feridas.

A peritagem à árvore foi concluída a 25 de agosto pelo Ministério Público. A investigação que se seguiu ficou a cargo da Polícia Judiciária.