A presidente da Assembleia da República defende que a competência sobre segurança não cabe ao parlamento, mas às autoridades de segurança, após receber um pedido do Movimento «Que se Lixe a Troika» para usar as escadarias no dia 26.

«A audiência decorreu em ambiente de cordialidade e esclarecimento recíprocos», afirma em nota à imprensa a assessoria de Assunção Esteves.

Representantes do movimento cívico «Que Se Lixe A Troika!» (QSLT) foram hoje recebidos pela Presidente da Assembleia da República e afirmaram que Assunção Esteves «não se opôs» à ocupação da escadaria no protesto agendado para 26 de outubro.

Assunção Esteves fez agora questão de anunciar que teve oportunidade de «ouvir as pretensões do movimento» e de o informar que a decisão em causa cabe às autoridades de segurança.

Assunção Esteves refere que se as estas autoridades verificarem que existem condições de segurança e permitirem a realização daquela pretensão, também a presidente «não se opõe».

Os membros do «Que Se Lixe A Troika!» pretendem desfilar do Rossio até São Bento, em 26 de outubro, a partir das 15:00, e ocupar depois os degraus de acesso à «Casa do Povo», por se tratar de um «anfiteatro natural».