«Foi com surpresa que se constatou que o Ministério Público recorreu de todas as decisões que lhe foram desfavoráveis, para o Tribunal Central Administrativo, requereu mesmo mais uma providência cautelar e apresentou mais uma ação principal».