Os anúncios televisivos com o volume sonoro mais alto vão acabar em junho. A Entidade Reguladora para a Comunicação Social (ERC) aprovou uma diretiva que prevê a normalização da intensidade sonora nas emissões televisivas. Por outras palavras, a ERC quer que o volume da publicidade seja igual ao da restante programação.

O objetivo é assegurar que “os níveis de sensação auditiva confortáveis ao telespectador são respeitados”, como refere o regulador em comunicado. Na mesma nota, a ERCA mostra-se preocupada com o “incómodo gerado pela inconsistência dos níveis sonoros junto dos espetadores”.

Assim, a diretiva estabelece que o nível de sensação de intensidade auditiva dos intervalos publicitários deve ser fixado em -23LUFS (sigla inglesa para Loudness Unit Full Scale) – um LU é equivalente a um decibel.

A normalização também abrange produtos que têm como origem outros países. Casos em que o controlo exato do volume não é possível, como as emissões em direto, são a exceção à norma. Mas mesmo aqui, o desvio não deverá ultrapassar ± 1LU.

A ERC sublinha que atualmente, há softwares e equipamentos "amplamente disponíveis no mercado", que permitem "quer a medição dos valores de nível de sensação de intensidade auditiva, quer o seu controlo eficaz". 

A diretiva foi aprovada a 23 de fevereiro e entra em vigor a 1 de junho.