"Estamos em fase de poder vir a argumentar juridicamente para defender os interesses dos polícias, já que o MAI não o faz", acrescentou Armando Ferreira.