O Sindicato dos Profissionais de Polícia (SPP/PSP) denunciou esta quarta-feira, véspera do 150.º aniversário da corporação, a falta de meios materiais e humanos para garantir a segurança dos cidadãos, avançando que é “quase generalizada” a desmotivação na PSP.

Num comunicado divulgado a propósito dos 150 anos da Polícia de Segurança Pública, cuja cerimónia se realiza na quinta-feira na Praça do Império, em Lisboa, o SPP refere que a 13 de julho vai ser apresentada aos portugueses “uma polícia bonita” e vão ser gastos “milhares de euros” para demonstrar que “tudo está bem”.

No entanto, adianta aquele sindicato, a PSP vive uma realidade que “se assemelha a uma casa em degradação, onde apenas se pinta e mostra a fachada, escondendo-se todos os podres”.

Na verdade a desmotivação na PSP é quase generalizada. Não há meios materiais e humanos para garantir a segurança dos cidadãos. Centenas de polícias já deviam ter passado à pré-aposentação e continuam ao serviço. Não são admitidos novos elementos em número suficiente e, pasme-se, até há polícias que foram despromovidos”, sublinha o SPP.

O sindicato refere também que “há esquadras sem viaturas operacionais e imensas a carecer de obras”, não há equipamentos rádio para comunicações, não existem promoções e há elementos da PSP que aguardam transferência há 20 anos.

A cerimónia dos 150 anos da PSP vai contar com a presença do Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, e do primeiro-ministro, António Costa, além da ministra da Administração Interna, Constança Urbano de Sousa.