A Polícia de Segurança Pública vai ter uma nova tabela remuneratória, que vai significar mais dinheiro ao fim do mês para os agentes. Esta foi um dos pontos que ontem ficou estabelecido na reunião que juntou Anabela Rodrigues, ministra da Administração Interna, e o maior sindicato da PSP, a Associação Sindical dos Profissionais da Polícia, (ASPP). Um encontro que acabou já perto das duas da madrugada.

Isso mesmo foi confirmado à TVI por Paulo Rodrigues, da direção do ASPP que reconheceu que “há melhorias, um avanço bastante positivo”, mas há reivindicações que ficaram sem resposta.

Além da nova tabela remuneratória, a ministra terá também aceite progressões de carreiras mais rápidas, naquilo que a polícia descreve como “promoção entre postos”. “A experiência profissional, os anos de serviço, vão contar para a progressão em cerca de 75%”, explica Paulo Rodrigues. “O restante será uma componente de comportamento”, conclui.

As regras da pré-aposentação passam também a ser equivalentes às dos militares, ou seja, 55 anos de idade e 36 anos de serviço. O sindicato queria que a pré-aposentação fosse 55 anos de idade ou 36 anos de serviço, mas a ministra exige as duas em simultâneo.

Relativamente às horas semanais de serviço, Anabela Rodrigues também admitiu que os operacionais pudessem ser recompensados com as 36 horas, mas os administrativos deverão manter as 40 horas de trabalho como a restante administração pública. O mesmo acontecendo com os 25 dias de férias, que serão reduzidos para 22, que a ministra justificou ao sindicato não poder alterar, porque a lei é válida para todos.

Agora, Paulo Rodrigues explicou que as propostas ontem discutidas vão ser debatidas a nível interno e ainda com os restantes sindicatos. Esperam, na próxima semana, poder voltar a reunir com Anabela Rodrigues.